Trabalhadores dos Correios em AL entram em greve por tempo indeterminado

Por Clariza Santos | Portal Gazetaweb.com     11/09/2019 06h50 - Atualizada às 11/09/2019 08h53

Entrega de correspondências e mercadorias deve ser prejudicada no estado

Agências e Central de Abastecimento estão com serviços paralisados

FOTO: Cortesia á Gazetaweb

Funcionários dos Correios estão em greve por tempo indeterminado. A medida, de acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Alagoas (Sintect/AL), Alysson Guerreiro, foi tomada após inúmeras tentativas de acordo com a empresa. 

Em Maceió, as agências já foram seladas com adesivos de greve e não vão abrir para funcionamento. Segundo o sindicalista, a empresa informou ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) que não vai mais negociar com os trabalhadores, o que culminou na greve geral e por tempo indeterminado. A deflagração aconteceu nessa terça-feira (10).

"O tribunal, no final de julho, pediu mais tempo para as negociações e ambas as partes, ou seja, empresa e trabalhadores, aceitaram. Porém, não houve nenhuma reunião para discutir a pauta no acordo coletivo e a empresa acabou mandando uma petição para o TST, dizendo que não iria mais negociar conosco", explicou o sindicalista. 

Guerreiro explicou que a categoria vem lutando contra a privatização e está engajada na campanha salarial, desde o mês de junho deste ano. No intuito de evitar uma paralisação, o sindicato solicitou a mediação junto ao TST. 

PRIVATIZAÇÃO

O anúncio do governo Federal de que iria privatizar os Correios e outras estatais está deixando os trabalhadores da empresa, em todo o país, preocupados. Em Alagoas, não é diferente. A categoria acredita que, com a venda, serão mantidas apenas as agências que ainda dão lucro no Estado. Estas ficariam nas cidades de Maceió e Arapiraca. As outras, situadas nos demais municípios, seriam fechadas. 

O presidente do sindicato afirma que todos os municípios alagoanos contam, hoje, com, ao menos, uma agência dos Correios, mas que esse cenário vai mudar com a privatização. Das 104 agências existentes, apenas as da capital e a de Arapiraca devem ser mantidas. Segundo Alysson, a probabilidade de que as demais fechem as portas é grande. 

Ele destaca que os trabalhadores estão mobilizados em todo o país e coletando assinaturas para um abaixo-assinado que será entregue no Congresso Nacional. O objetivo é evitar a venda da empresa.

Em todo o País, os Correios contam com 99 mil funcionários. Em Alagoas, esse número é de 960 profissionais.

CONFIRA, NA ÍNTEGRA, NOTA DOS CORREIOS

Esclarecemos que Correios participaram de dez encontros na mesa de negociação com os representantes dos trabalhadores, quando foi apresentada a real situação econômica da estatal e propostas para o acordo dentro das condições possíveis, considerando o prejuízo acumulado na ordem de R$ 3 bilhões. Mas as federações, no entanto, expuseram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa, algo insustentável para o projeto de reequilíbrio financeiro em curso na empresa.

No momento, o principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população.

Os Correios estão adotando medidas já planejadas para garantir que as agências funcionem regularmente, bem como as atividades de distribuição de cartas e encomendas