Aumento da passagem não faz sentido se empresas não cumprirem contrato, diz Rui

Por Jamylle Bezerra | Portal Gazetaweb.com     14/01/2020 12h49 - Atualizada às 14/01/2020 16h05

Prefeito Rui Palmeira refora que no concorda com reajuste da passagem de nibus

FOTO: Reproduo
.jpg" data-hashtags="#radiogazetaweb #gazetaweb" style="width:40%;">

Em entrevista, prefeito de Maceió destaca que empresas de ônibus não renovaram a frota e nem pagam imposto

Prefeito Rui Palmeira reforça que não concorda com reajuste da passagem de ônibus

FOTO: Reprodução

O prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB) voltou a afirmar nesta terça-feira (14), dessa vez durante entrevista à TV Gazeta, que "se depender da prefeitura, não haverá reajuste no valor da passagem de ônibus". Ele ressaltou que as empresas não estão cumprindo com os termos do contrato, como a renovação da frota. 

"No que depender da Prefeitura de Maceió, não haverá reajuste. As empresas não têm cumprido o contato, não renovaram a frota, não pagam a outorga ao município e nem o ISS [Imposto Sobre Serviços] devido", afirmou Rui Palmeira. 

Ele destacou que, de fato, houve uma redução no número de usuários de ônibus em Maceió, dados que foram constatados durante auditoria contratada pelo município. Ao mesmo tempo, afirma que o não cumprimento do contrato por parte das empresas torna sem sentido o reajuste. 

"Nós já executamos a dívida de ISS dessas empresas. Fizemos acordo e elas não cumpriram com o pagamento do parcelamento. Então fica complicado firmar determinados acordos, se eles não são cumpridos. Não há sentido conceder qualquer tipo de reajuste enquanto as empresas não fizerem a sua parte do contrato, em especial no que trata da renovação da frota. Dessa forma, a prefeitura não vai concordar com qualquer tipo de reajuste", pontuou Rui. 

O prefeito disse ainda que, conforme o contrato, as empresas deveriam ter colocado 60 ônibus novos nas ruas em 2019, o que não aconteceu. 

A discussão em torno do reajuste da passagem de ônibus tem deixado os usuários do transporte público apreensivos. Caso aprovado, o valor subiria de R$ 3,65 para R$ 4,10. Quem faz uso diário dos coletivos reclama da qualidade do serviço e das condições dos ônibus, que não justificam uma tarifa tão alta. 

Para se ter uma ideia, no último sábado (11), a cadeira de um ônibus em movimento se desprendeu, deixando ferida uma idosa que estava sentada nela.